Youtube Linkedin Flickr

Comitê Executivo da RTRS se reúne no Piauí, Brasil, para discutir diretrizes e o futuro da Associação

7T8A1235-okEm fevereiro, a Fazenda Progresso, localizada na cidade de Sebastião Leal-Piauí, Brasil, – cerca de 400 km da capital Teresina-Piauí – recebeu o Comitê Executivo da Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS) para realizar o primeiro encontro de 2019, que incluiu dois dias de reuniões e um dia de visitas a fazendas certificadas e não certificadas, cases de agricultura familiar e projetos sociais que estão ocorrendo no âmbito da certificação RTRS.

Na ocasião, o grupo teve a oportunidade de realizar uma visita técnica pela fazenda, que tem como foco o investimento em inovação e tecnologia na produção de sementes de soja, o que alavancou a produção agrícola na região e trouxe benefícios para as comunidades do entorno da propriedade. Para a RTRS, reunir o Comitê Executivo da entidade em propriedades como esta concede perspectivas diferentes e enriquece as discussões entre todos.

7T8A1489-ok“É a primeira vez que nos reunimos no Nordeste e, durante dois dias, realizamos reuniões para discutir nosso planejamento estratégico, bem como definir diretrizes de próximos projetos e parcerias. Um tema importante discutido foi a definição final para implementação e concretização da RTRS como membro oficial e reconhecido da ISEAL Alliance”, comenta Presidente da RTRS, Marina Born.

O ISEAL é uma associação global que reúne padrões de sustentabilidade confiáveis e atendem os Códigos de Boas Práticas para promover mudanças mensuráveis por meio de sistemas de certificação abertos, rigorosos e acessíveis. Eles são apoiados por organismos internacionais de acreditação, que atendem às melhores práticas internacionais aceitas. A RTRS será o primeiro padrão que trata exclusivamente da produção de soja na ISEAL.

“Também tivemos a oportunidade de planejar o futuro e nossos objetivos de longo prazo. Empresas, ONGs e Governos têm metas de sustentabilidade e responsabilidade social até 2020 e estamos trabalhando para atender essa demanda. Nossos esforços também estão voltados a estruturar o foco de trabalho da entidade até 2025”, observa Born.

A programação do grupo também contou com encontros na cidade de Sebastião Leal-Piauí, em que foram visitados projetos sociais, comunidades, pequenos produtores e escolas que contam com o apoio da Fazenda Progresso.

7T8A3063-ok7T8A3106-ok

De acordo com Gisela Introvini, membro o Comitê Executivo da RTRS e Superintendente da FAPCEN, que representa os produtores do Maranhão, Tocantins e Piauí, a produção de soja ajudou a desenvolver as cidades dos três estados. “Há 20 anos, o Piauí era considerada pobre e improdutivo e, atualmente, observam-se tetos de produtividades semelhantes a qualquer outro estado brasileiro. Outro feito da soja foi a geração de emprego e renda. Municípios do Nordeste em que se planta soja tem uma renda per capita e um índice de desenvolvimento humano acima dos demais. A certificação acompanha e torna esses processos sustentáveis”, avalia.

“O Brasil possui grande extensão territorial e regiões distintas de produção de soja. Encontramos peculiaridades no Piauí que não encontramos no Sul ou no Centro-Oeste do país, por exemplo. A nossa diretoria é composta por pessoas de diversas partes do Brasil e do mundo e, para a maioria, essa foi a primeira oportunidade de ter contato com essa realidade. A RTRS permite esse fórum de conhecimento e relacionamento, pois somos uma mesa redonda de diálogo em que diferentes iniciativas da soja estão concentradas em nível global, o que é bastante enriquecedor. Neste sentido, grande parte do trabalho do Comitê Executivo nestes dias foi dedicado a pensar em como tornar esta mesa redonda ainda maior e mais representativa”, menciona Marina Born.

Sobre Grupo Progresso

A Família Sanders – proprietária do grupo Progresso que conta com mais quatro fazendas no estado do Piauí e uma em Minas Gerais – resolveu investir na certificação da produção da soja na Fazenda Progresso, seguindo os princípios e critérios da RTRS. Um marco para o Nordeste do Brasil, já que foi uma das primeiras propriedades a receberem a certificação na região.

A Fazenda Progresso impressiona tanto pela estrutura física, que demonstra  preocupação em investir em inovação e tecnologia, quanto pela produção agrícola. No total, são 26 mil hectares de produção de soja e 4.100 hectares de algodão. Ambas as produções possuem certificação, a soja é certificada pela Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS) e o algodão pela ABR e Licenciamento BCI.