Youtube Linkedin

Certificar a Produção

Trabalho Conjunto em Prol de uma Solução Conjunta

O Padrão RTRS de Produção de Soja Responsável foi criado graças ao esforço dos atores – como os produtores, a indústria e a sociedade civil – envolvidos na cadeia de valor da soja, que tiveram a oportunidade de discutir e chegar a um consenso sobre uma série de Princípios e Critérios para a certificação da soja como uma cultura responsável. Os pilares do Padrão RTRS de Produção são:

01. Legal Compliance icon

Cumprimento Legal e Boas Práticas Empresariais

02. Responisble Labour Conditions icon

Condições de Trabalho Responsáveis

03. Responsible Community Relations icon

Relações Comunitárias Responsáveis

04. Environmental Responsibility icon

Responsabilidade Ambiental

05. Good Agricultural Practices icon

Práticas Agrícolas Adequadas

Os Pequenos Produtores Também podem ser Certificados

ilustraciones-ESP_-20Para incluirmos os pequenos produtores em nossa iniciativa, criamos a opção de Certificação em Grupo.

Dessa forma, vários pequenos produtores podem formar um grupo e candidatarem-se a um único certificado que cubra todos os seus campos, compartilhando, assim, os custos de avaliação – tanto para fins de certificação quanto de vigilância anual.

Flecha

Para tal, desenvolvemos o Padrão RTRS para Certificação Grupal e Multi-Site, que delineia uma série de requisitos para a criação de um Sistema de Controle Interno (SCI) que garanta que os membros do grupo atendam aos requisitos de produção de soja responsável da RTRS.

Vários Locaisum Único Certificado

ilustraciones-ESP_-19Para as empresas com várias fazendas que desejam um único certificado, criamos uma Certificação Multi-Site.

Nesta modalidade, todas as fazendas de um mesmo e único estabelecimento e sujeitas aos mesmos sistemas de gestão e controle podem receber uma única certificação, sem a necessidade de emissão de um certificado individual para cada um dos locais.

Possibilidade de Requerer uma Certificação Passo-a-Passo

GuiaRTRSTradingA fim de aumentar o número de produtores incluídos no sistema de certificação, nós desenvolvemos um nível de entrada progressiva, que inclui uma abordagem de melhoria contínua. Para tal, dividimos os indicadores em categorias de relevância, permitindo, assim, um processo de planejamento passo-a-passo, com objetivos a ser cumpridos dentro de prazos específicos. Nosso objetivo é conceder uma abordagem realista, credível e pragmática  ao esquema RTRS.

Para isso, levamos em conta: insumos dos três grupos constitutivos da RTRS, outros esquemas de certificação sustentável, abordagens em relação a problemas semelhantes, análise de evidências colhidas durante os períodos de teste em campo, inclusão de pequenos produtores e a legislação nacional, entre outros.

O NÍVEL DE ENTRADA PROGRESSIVA INDICADO NA INTERPRETAÇÃO NACIONAL DO PAIS CORRESPONDENTE (NO CASO DE EXISTIR) É A ABORDAGEM VÁLIDA NO MOMENTO DA CERTIFICAÇÃO.

Para mais informações sobre as Interpretações Nacionais, clique aqui.

.

Exportações para a União Europeia para a Produção de Biocombustíveis

A Comissão Europeia (CE) criou a Diretiva de Energia Renovável ​​(EU-RED), que regula a importação de matérias-primas usadas na produção de biocombustíveis (como a soja) para a União Europeia. Os padrões estabelecidos contêm requisitos relativos a mudanças no uso da terra, rastreabilidade e cálculos do efeito do Gás de Efeito Estufa e determinam se essas matérias-primas podem ser consideradas sustentáveis ou não. Para atender a essa regulamentação, criamos o Anexo da RTRS para Biocombustíveis. Este anexo inclui todos os requisitos da diretiva e, embora a certificação seja meramente opcional, ela garante que os produtores de soja possam exportar para qualquer um dos Estados-Membros da União Europeia, na forma de matéria-prima para a produção de biocombustíveis.