Youtube Linkedin Flickr

2017: um ano de grande crescimento para a Associação Internacional de Soja Responsável

A RTRS é pioneira na introdução de novas maneiras de melhorar a qualidade e o alcance de seu padrão de certificação.

Dados do final de 2017 indicam que este foi mais um ano de grande crescimento para a Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS), com o aumento considerável da tonelagem de soja produzida e certificada e, principalmente, o crescimento constante do número de empresas que exigem soja certificada pela RTRS e evidenciam seu compromisso com a aquisição de soja responsável.

Cerca de 4 milhões de toneladas de soja certificada pela RTRS foram disponibilizadas no mercado em 2017 – um aumento de 900 mil toneladas em relação a 2016. Esses valores se encaixam na tendência de crescimento anual da oferta; em apenas quatro anos, o volume anual de soja certificada pela RTRS mais que triplicou. Ou seja, o volume de soja produzido atualmente de acordo com os padrões mais rigorosos, transparentes e holísticos em matéria de certificação ambiental e social aumentou em vários milhões de toneladas, sem que a produção causasse qualquer desmatamento.

O aumento da demanda por soja responsável é um dos principais incentivos para os produtores ampliarem ainda mais a certificação de suas culturas. Embora ainda exista soja certificada pela RTRS à espera de compra – tanto na forma de créditos quanto nas cadeias de suprimento de balanço de massa – a RTRS está empenhada no fomento contínuo à demanda.

E ela deve crescer, à medida que cada vez mais atores do setor reconhecem o valor do padrão RTRS. Em 2017, 80% das empresas ou organizações que se associaram à RTRS vieram dos setores de Indústria, Comércio e Finanças – 14 dos 17 novos associados. Este é um indicador positivo de que a demanda por soja produzida de forma responsável está aumentando, a partir do bom nível ​​de vendas de 2017, de 2,2 milhões de toneladas – um aumento de 8% em relação às vendas de 2016.

Com o compromisso de desenvolver e melhorar suas atividades constantemente, e de buscar um futuro em que 100% da soja produzida e comprada globalmente seja produzida de forma responsável, a RTRS desenvolveu novos relacionamentos e formas práticas de trabalhar em 2017:

1.

O Aquaculture Stewardship Council (ASC) reconheceu a RTRS como o padrão de certificação de soja mais relevante para o meio ambiente, e incorporou o requisito para que os produtores de alimentação animal usem soja certificada pela RTRS como parte de seu compromisso de reduzir os impactos ambientais e sociais da aquicultura. A RTRS tem o prazer de ver o ASC se juntar a várias outras organizações que já incorporaram o padrão RTRS em seus sistemas internos de certificação. Graças a essa relação, mais de 11 mil créditos RTRS já foram vendidos em 2017 para empresas da indústria de salmão.

2.

A RTRS fica satisfeita de ver que o seu Padrão de Certificação Grupal (que possibilitou a certificação de mais de 32.000 produtores individuais na Índia, em 2016) continua tendo um forte impacto. Em 2017, a RTRS deu as boas-vindas à organização Agricultores Federados Argentinos (AFA), que representa mais de 20% dos produtores argentinos de soja e é composta, predominantemente, por pequenos produtores (com produção anual de até 450 toneladas). A primeira certificação do Grupo AFA ocorreu já este ano, um grupo de cinco produtores certificou um total de 433 hectares de cultivo de soja. Este projeto, que recebeu o apoio da Shell e da Cefetra, tem um enorme potencial de expansão, já que a AFA conta com quase 17 mil produtores associados que podem optar pela certificação RTRS.

3.

Em outro exemplo de trabalho cooperativo este ano, a Itaipu Binacional (empresa responsável pela usina hidrelétrica binacional de ITAIPU, no Paraguai e no Brasil, e a maior geradora de energia limpa e renovável do mundo) adotou o padrão RTRS de certificação como referência de excelência. A Itaipu Binacional está se empenhando para melhorar constantemente as suas práticas de produção e gestão, à luz do impacto da usina em todos os setores da cadeia de valor da soja – incluindo produtores de todos os portes, tanto no Paraguai quanto no Brasil.

4.

Ansiosa por adentrar novos territórios, a RTRS começou a trabalhar em Moçambique, África, e, atualmente, está avaliando o trabalho realizado pela Associação Holandesa de Cadeia de Valor de Carne de Porco Sustentável (KDV, Keten Duurzaam Varkensvlees) e pela Solidaridad para ajudar 2.000 agricultores de soja a melhorar sua produção com métodos de cultivo sustentáveis. Em 2017, o primeiro ano do projeto, duas Associações de Produtores – uma com 48 associados e outra com 175 – receberam a certificação RTRS. Isso significa que 223 produtores foram certificados no país.

Espera-se que a certificação RTRS possa ser aplicada neste trabalho, em apoio ao comprometimento da parceria com o uso responsável de pesticidas, o respeito pelos direitos territoriais das comunidades locais e a preservação de florestas e biodiversidade de valor.

5.

O padrão passou por duas atualizações importantes em 2017, refletindo o compromisso da RTRS de melhorar continuamente a qualidade de suas práticas de certificação. Em junho de 2017, a RTRS anunciou uma atualização que compromete todos os seus produtores à interrupção progressiva do uso do Paraquat, e proíbe qualquer uso do Paraquat na produção de soja certificada pela RTRS a partir de 2021.

 

Em novembro de 2017, a Comissão Europeia anunciou a reaprovação de uma versão atualizada do módulo do padrão RTRS especificamente sobre biocombustíveis (conhecido como “módulos RTRS EU-RED”). A resposta da RTRS se deu logo na sequência da atualização da diretriz de energia renovável da UE, e esta versão recém-aprovada possibilita que as empresas membros demonstrem uma atitude mais rigorosa e precisa em suas práticas e processos de monitoramento, bem como sua plena conformidade com a versão revisada da Diretriz de Energia Renovável.

Em relação ao desempenho da RTRS em 2017 e aos planos para o ano que vem, Marcelo Visconti, da RTRS, afirma:

“2017 demonstrou que a demanda por soja da mais alta qualidade e de origem responsável vem crescendo no mundo inteiro. Hoje, a RTRS – com seu padrão de certificação de soja transparente e robusto – é o parceiro perfeito para garantir que a soja que tenha impactos sociais e ambientais mínimos e, ainda mais importante, não gere desmatamento.

O compromisso de trabalhar em parceria faz parte dos princípios básicos da RTRS, unindo forças com outras organizações, encontrando novas formas de trabalhar e inovando para avançarmos em direção a um futuro com 100% de soja responsável.

Olhando para 2018, os governos e o setor privado devem agora desenvolver incentivos e instrumentos econômicos para recompensar os esforços dos agricultores para conservar áreas de vegetação nativa, mesmo em locais onde a limpeza da vegetação é permitida. A RTRS pode oferecer a solução. O nosso compromisso com a abertura e com o trabalho flexível nos torna absolutamente fundamentais para transformação do futuro do setor da soja.”

Baixe a infografia aqui

3 de janeiro de 2018